28 de jul de 2016

SEJA BEM VINDO A GARRA NAVAL ESPECIALIZAÇÃO EM REPARAÇÃO NAVAL

GARRA NAVAL
ESPECIALIZAÇÃO EM REPARAÇÃO NAVAL

Garra Naval - Specialized Ship Repairs 



 REPARAÇÃO EM BALSAS GRANELEIRAS
DIQUE FLUTUANTE PARA EMBARCAÇÕES DE MÉDIO CALADO




REPARAÇÃO EM REBOCADORES DA WILSON SONS





 GARRA NAVAL QUALIDADE

ATENDIMENTO ESPECIALIZADO EM LOGÍSTICA OFFSHORE
ATENDEMOS SERVIÇOS EM NAVIOS SUPPLY AHTS e PSV
Equipamentos - Balsa de 1500 ton / Empurrador / Guindastes de 220 Ton / Guinchos elétricos para estabilização do comboio.

 ATENDEMOS PLATAFORMAS DE PETRÓLEO PARA DEMANDAS DE ATIVIDADES DE CALDEIRARIA, MONTAGEM, SOLDAGEM, HIDRÁULICA, ELÉTRICA, MECÂNICA, ETC.
 ATIVIDADES EM NAVIOS GRANELEIROS








 CERTIFICAÇÃO DENTRO DE PADRÕES INTERNACIONAIS
 Rodovia Arthur Bernardes, 8279 - CEP: 66816-320, Pratinha - Belém/Pará.

+55 (91)3258-2467
+55 (91)9917-0303
comercial@garranaval.com  


CLIENTES PARCEIROS




















20 de jun de 2014

EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO EM SALINAS DEVE AQUECER A ECONOMIA LOCAL


 
EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO NA PARÁ-MARANHÃO DEVE ATRAIR GRANDE APORTE DE PRESTADORES DE BENS E SERVIÇOS PARA BELÉM E SALINAS-PA

Os blocos M-265 e M-337 que serão operados pela Queiroz Galvão e Pacific Brasil, devem atrair grande demanda de prestadores de bens e serviços, as operadoras tem até 8 anos para explorar as áreas licitadas e até 35 anos para produzir o petróleo.

Os blocos operados por essas empresas tem uma distância de aproximadamente de 270 kms da costa de Salinas-pa, operados em águas profundas ( AP) no setor AP1




Os tipos de plataformas de petróleo que devem operar na Para-maranhão, são do tipo semi-submersiveis, plataformas que operam com posicionamento dinâmico e possuem flutuadores estabilizados por água de lastro, essas plataformas podem operar em água profundas como do setor AP1.
LOGÍSTICA AO ATENDIMENTO  EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO
Base da Petrobrás na Arthur Bernardes -Tapanã- Belém-pa

A cadeia de suprimento em uma exploração de petróleo,deve ser bem desenvolvida para que todos os processos de bens e serviços sejam feito dentro de prazos minuciosamente determinados, os gastos com combustíveis, óleos, tempo, viveres e outros, transmitem a real situação de um projeto bem elaborado de logística de atendimento offshore.


Navio PSV, navio de suprimento sendo abastecido na base da Petrobrás em Belém.

Os Navios da classe PSV, são os que levam, lama, tubos de perfuração, água, suprimentos diversos, peças, equipamentos, RISES tubos de produção com flutuadores, produtos químicos, combustíveis, material de limpeza e higiene, equipamentos elétricos etc.


Alguns Navios PSV que estiveram em Belém na primeira fase do projeto de exploração




ALGUNS TIPOS DE SUPRIDORES
AHTS - embarcações que atuam como rebocador, manuseio de âncoras
PSV - utilizadas para suprimentos para as plataformas de petróleo
LH - utilizadas no manuseio de espias
SV - mini supridores
FSV - supridores de carga rápida
OSRV - combate a derramamento de óleo
OTSV - navio de apoio em terminal em alto mar
RSV - embarcação equipada com veículo de operação ROV
DSV - suporte e apoio ao mergulho
WSV - embarcação para estimular poços de petróleo
PLSV - construção e lançamentos de linha
MPSV - embarcações de tarefas multiplas


Em 2011 PSV e AHTS estiveram fazendo a logística da operação offshore
Com a demanda de atividades vem os serviços de aeronaves como  o s99 que estavam prestando serviços para o setor.

CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL
A qualificação profissional deve ser primordial para esse seguimento, capacitar profissionais para o setor offshore, requer empresas qualificadas em treinamento marítimo, como o seguimento de movimentação de cargas, homem de área e tarefas técnicas como plataformista, sondador, mecânico, tec. seg. trabalho, eletricista e outros.

SALINAS-PA

ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO
Salinópolis terá campus da UFPA
  A Universidade Federal do Pará (UFPA) abrirá um campus no município de Salinópolis graças à doação de um terreno de 30 hectares. O coqueiral que fica na estrada que leva à praia do Atalaia foi doado pelo empresário João Felício Abraão para a construção de um polo científico, que deve priorizar áreas petrolíferas e de oceanografia.

Já tem garantido R$ 34 milhões do Ministério da Educação, da Petrobrás e do Governo do Estado. A assinatura do documento de doação foi realizada na tarde de ontem, no auditório da secretaria geral da universidade.

As obras no polo de Salinas devem começar no final do ano. Alguns recursos com a Petrobras, que vai investir no projeto R$ 15 milhões – onde já se descobriu uma área de exploração de petróleo – mais R$ 15 milhões do MEC e R$ 4 milhões do governo estadual, dinheiro que vai estruturar o espaço”.

A UFPA também já tem projeto para um campus em Ananindeua com R$ 15 milhões em recursos já garantidos, além da Universidade do Sul e Sudeste, que será erguida com R$ 200 milhões. “Em Salinas, já temos 20 vagas garantidas para professores, para fazer concurso. Devemos abrir cinco cursos na área de tecnologia e licenciatura e a minha intenção é que já no ano que vem possamos começar alguns cursos em salas provisórias”, explica.

O campus vai abrigar as faculdades de engenharia do petróleo, engenharia oceanográfica, tecnologia e licenciaturas, além do programa de pós-graduação. “Vamos criar um centro de conhecimento na área científica e tecnológica e enfatizar as áreas de petróleo e mar.

(Diário do Pará)